Publicidade

  • image
  • VERDE
  • ELEICOES

Richa vai propor aumento de impostos à Assembleia

Governador convoca deputados para apresentar “medidas amargas” que garantam dinheiro em caixa no 2º mandato

O governador Beto Richa (PSDB) prepara um “pacote de maldades” para enviar à Assembleia Legislativa do Paraná nos próximos dias. A informação de deputados da base aliada é que o tucano tomará “medidas amargas” para começar o segundo mandato com dinheiro em caixa, o que inclui aumento de impostos. 

O assunto será exposto hoje aos parlamentares, às 11 horas, em uma reunião no Palácio Iguaçu. No encontro, Richa também reforçará a importância da aprovação da emenda em que ele pede autorização para remanejar livremente 15% do orçamento do ano que vem.

Publicamente, desde que se lançou à reeleição, Richa tem afirmado que “o melhor está por vir” no segundo mandato. Em sabatina à Gazeta do Povo antes do 1.º turno, por exemplo, afirmou: “Acho que as coisas estão de certa forma indo bem. Agora com a casa em ordem e a máquina azeitada, vamos avançar mais”. Segundo aliados próximos, porém, a realidade é completamente diferente. Alguns chegam a classificar a situação financeira do estado como “desesperadora”.

Na semana passada, o tucano apresentou duas emendas ao substitutivo geral do orçamento de 2015 em tramitação na Assembleia. Uma delas permite que o governo remaneje até 15% de sua receita sem precisar consultar o Legislativo – pelo texto aprovado na Comissão de Orçamento, esse montante é de 5%. O porcentual de 15% corresponde a R$ 7,3 bilhões. Outra emenda prevê o repasse de até R$ 90 milhões do orçamento da Defensoria Pública para a Secretaria da Fazenda.

Também na semana passada, o Executivo determinou que o pagamento do terço de férias dos funcionários da administração direta que tirarem férias em dezembro e janeiro – exceto os professores da rede estadual − seja pago apenas no ano que vem e em três parcelas. A decisão teria sido tomada para garantir o pagamento do salário deste mês dos servidores e do 13.º. Essa também seria uma forma de garantir que os funcionários pudessem manter as férias no período, em vez de determinar que elas fossem adiadas para 2015.

 

Cenário adverso

O motivo oficial da reunião de hoje com os deputados é a emenda que pede o remanejamento de 15% do orçamento. Nos bastidores, entretanto, os próprios deputados governistas afirmam que Richa, na verdade, pretende explicar aos parlamentares um pacote de projetos que chegará ao Legislativo nos próximos dias e que inclui o aumento de impostos. “Não posso adiantar nada porque não conheço o teor das mensagens. Mas serão medidas amargas”, disse um deputado. “Será um pacote de maldades. Mas não há outro caminho”, completou outro.

Durante a sessão de ontem, o líder do governo na Assembleia, Ademar Traiano (PSDB), confirmou que o governo enviará uma série de projetos para serem aprovados antes do fim de ano. O tucano disse, porém, que ainda não havia tido acesso às propostas. Segundo ele, as mensagens estavam sendo finalizadas.

Além de pretender elevar os impostos no estado, Richa tem se manifestando a favor da volta da CPMF, que vem sendo articulada por governadores petistas recém-eleitos. “Preciso consultar o partido. Mas já me manifestei a favor da CPMF”, declarou o tucano à Folha de S. Paulo.

 

Corte de 3 pastas e secretário baiano são apostas para economizar

Para economizar, o governo do Paraná irá cortar três secretarias e fundir outras estruturas do segundo escalão. A expectativa é de que, com essas medidas, haja corte de cargos e redução de despesas.

Além disso, os problemas de caixa do governo devem promover a mudança mais radical no secretariado. Há vários dias Beto Richa vem tentando convencer o atual secretário da Fazenda de Salvador (BA), Mauro Ricardo Costa, a assumir as finanças paranaenses. Auditor da Receita Federal e ex-secretário da prefeitura e do governo de São Paulo, Costa aumentou as receitas de Salvador e é considerado fundamental na boa avaliação da gestão local.

Costa esteve em Curitiba na sexta-feira passada. Mas, segundo aliados do governador, ainda não respondeu ao convite. Procurado, disse por meio da assessoria de imprensa que não iria se manifestar sobre o assunto. Amanhã, porém, o prefeito da capital baiana, ACM Neto (DEM), vai anunciar uma reforma administrativa e pode anunciar a saída de Costa.

 

Outros cargos

No 1.º escalão paranaense, o cargo mais disputado na reforma do secretariado para o 2.º mandato de Richa é o de chefe da Casa Civil. Brigam pela vaga Deonilson Roldo, atual chefe de gabinete do governador, e Eduardo Sciarra (PSD), coordenador da campanha de Richa e que não concorreu à reeleição para deputado. No Planejamento, é tido como certo que Cassio Taniguchi não permanecerá. Um dos nomes especulados é o de Silvio Barros (PHS), ex-prefeito de Maringá e cunhado da vice-governador eleita, Cida Borghetti (Pros).

Considerada a principal ponte com prefeitos, a Secretaria do Desenvolvimento Urbano (Sedu) estaria à espera de Ratinho Jr. (PSC), que comandou a pasta até o final de março. Mas ele tem dito que não abre mão de brigar pela presidência da Assembleia. No entanto, diante do anúncio de Richa a aliados de que defende a candidatura de Ademar Traiano (PSDB) para o comando da Casa, só restaria a Ratinho aceitar a Sedu. Se não aceitar, a secretaria ficaria com o deputado Valdir Rossoni (PSDB).

 

 

FONTE - GAZETA DO POVO

MEGA SENA

Rádio Cabiúna no Facebook

No Twitter

 
 
 

FEED RSS

Você está aqui: Home Jornalismo Política Richa vai propor aumento de impostos à Assembleia